terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Você lembra de mim?

Você lembra de mim? 

Sou aquela mulher que vibra de emoção, com todo o meu ser. Tanto de alegria como de tristeza.
Sou a chuva e o sol, as estrelas da noite e a brisa que acalenta a quem necessita.
Sou aparentemente frágil, mas minha força transcende barreiras.
Sou aquela mulher que chora com filmes românticos. Que se derrete ao ver algum animal machucado. Mas que vira fera se cutucada. Levanta a bandeira da defesa de quem precisa de qualquer maneira.
Sou mãe, filha, cozinheira, enfermeira, babá, guarda-costas, amiga, amante, mulher.
Entendo o problema mais difícil, mas enlouqueço se bater de frente com uma barata.
Sou aquela mulher que se desdobra em mil nas tarefas do dia a dia sendo profissional, mãe e mulher, e tudo isso em cima de um belo salto.
Sofro com TPM, cólicas, mas nunca deixo de cumprir minhas tarefas.
Sou louca para ser mãe. Sofro com as dores de parto, e choro, choro pois meu corpo não suporta o tamanho monstruoso do meu amor ao ver o pequeno ser que foi gerado em mim. Cada pedacinho dele é fruto da maior emoção da minha vida.
Sou aquela mulher que carrega todas as cores do arco-íris, todas as notas musicais, todas as nuances da natureza. Sou bruxa, sou santa, sou puta, sou dama, sou mulher. Sou tudo e nada. Por isso não sou fácil de entender.
Meu mapa não tem sinalizações. Quem buscar encontrará em mim o maior acalanto ou a maior ira.  Meus contornos são arredondados, macios e sedosos, mas não se engane,  através de meus caminhos você pode chegar ao céu ou ao inferno.
Sou aquela mulher que se entrega de corpo e alma ao amor e não tem medo de sofrer por isso. Porque acredita que o amor é a essencia da vida e sem ele nenhum sopro existe de fato.
Não me julgue, sou incomum. Você nunca conheceu ninguém assim. Não tente me compreender. Quem consegue compreender os desígnios de Deus? Assim é também a minha alma, sutil e complicada demais para ser compreendida...
Sou aquela mulher que, como um equilibrista, luta pelos caminhos da vida, transpondo barreiras, plantando flores e guiando os cegos. Sou guerreira, aprendi a me defender.
Sou aquela mulher que você sempre sonhou ter, mas nunca deu valor quando teve. E que nunca esquecerá, se passar por minha vida.
Deixo marcas profundas.
Me redescobri.
Eu sou uma nova mulher.

8 de março. Dia internacional da mulher. Parabéns para nós!

Postar um comentário