segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Ser ou não ser… um escritor


Como me tornar um escritor? 
Muitas pessoas já me fizeram esta pergunta… 
E eu não tenho resposta pra isso… 
Um escritor não se “torna”, ele “é”. Faz parte de sua natureza, está tudo lá dentro, esperando apenas o momento de sair… 
De ganhar vida nas páginas de uma obra literária. Não existe fórmula para escrever. Cada um tem seu estilo, sua marca. 
O importante é ter uma escrita fluída, clara e leve. Livros que carregam muita redundância são cansativos DEMAIS! 
Escrever é um exercício, então mãos à obra! Pegue papel e caneta, ou vá para o seu computador e comece a escrever. Seja romance, contos, poemas, prosas, infantil… Não importa. Comece! 
Você só saberá no que seu livro se tornará depois que começar! Aos poucos a obra ganha vida e, quando você perceber, ela estará se completando naturalmente. 
É sempre bom pedir opiniões. Ouvir realmente o que as pessoas têm a dizer. Principalmente se for alguém com experiência no ramo literário. 
Não seja um aspirante a escritor petulante. Seja humilde. A humildade enobrece o homem. Não esqueça disso! 
Se você tem uma boa ideia, entretanto não consegue colocá-las no papel, pode, também recorrer a profissionais que trabalham como Ghost Writer. Esse pessoal, normalmente é bem discreto e consegue captar exatamente o que você deseja. Ah, não sabe o que são os ghost writer? São amiguinhos imaginários… Mentira :). São profissionais super capacitados, que recebem para ajudar os escritores com seus textos. Não confunda-os com os que fazem copy. São quase a mesma coisa, na prática. Mas, na teoria os ghosts recebem, auxiliam, escrevem e não aparecem, em momento algum. Já os copys analisam um texto já existentes, trabalham nele, reorganizam e têm seus nomes indicados no espaço técnico de cada obra. 
Passado o momento de criação, você precisa, antes de tudo, proteger seu novo bebê, dar uma identidade a ele. E isso é muito fácil. Entre no site da Biblioteca Nacional, vá para o espaço Registro de Obras (Direitos Autorais), siga o passo-a-passo e registre sua obra. 
Não importa que vá demorar um século para publicá-lo, ou que falta ilustrações, ou que ele vá diminuir, ou aumentar algumas poucas páginas. Não importa! Terminou sua obra-prima? REGISTE! 
Depois disso… Ai começa a parte mais cansativa e frustrante… Avaliações por editoras. Entre em contato com as diversas editoras existentes no mercado e envie sua obra para avaliação. É claro que, para nós, escritores pequeninos e “desconhecidos” é difícil demais um espaço legal em uma grande editora. Mas nada é impossível, não é? Você só saberá se tentar, então, manda ver! 
É claro que também existe a opção de parcerias ou de publicações independentes… As parcerias são feitas por editoras que cobram pela impressão (as qualidades são ótimas!) e você tem um livro lindo, com selo editorial, e todo seu! Mas os valores, normalmente são bem salgadinhos… 
Já nas publicações independentes você busca um profissional de criação para fazer o miolo e a capa do seu livro, te dão o arquivo para impressão e você parte para gráficas de quantidades pequenas. O problema desta modalidade é que, normalmente, a qualidade de impressão também é bem baixinha… 
E por fim, ainda existem as editoras virtuais que transformam sua obra em E-Book e disponibilizam a impressão de acordo com as encomendas feitas através de seu site. É claro que, depois de publicar seu livro você precisa pensar no lançamento, em quem vai te auxiliar na sua assessoria para imprensa, nas vendas, etc. 
Ufa! Cansativo né? É sim! algumas vezes é frustrante, irritante, cansativo, mas vale mmmuuuiiitttooo seguir em busca de nosso sonho! Não existe sensação melhor do que ver seu material publicado! É surreal! É bom demais!!! 
Então… Bora escrever seu livro!! 
Se joga e curta cada momento! Boa sorte!
Postar um comentário