segunda-feira, 7 de março de 2016

Dia internacional da Mulher


E lá vem chegando...
Mais um dia Internacional da Mulher. Os homens, que não têm o seu dia internacional, não entendem esta data. Dizem que o dia da mulher é todo dia, blá, blá, blá.
Vale lembrar que em terras tupiniquins o Dia Nacional da Mulher é comemorado no dia 30 de abril.
Então vamos entender um pouquinho essa data?
No Dia 8 de março de 1857, operárias de uma fábrica de tecidos, situada na cidade norte americana de Nova Iorque, fizeram uma grande greve. Ocuparam a fábrica e começaram a reivindicar melhores condições de trabalho. A manifestação foi reprimida com total violência. As mulheres foram trancadas dentro da fábrica, que foi incendiada. Aproximadamente 130 tecelãs morreram carbonizadas.
Entretanto, somente no ano de 1910, durante uma conferência na Dinamarca, ficou decidido que o 8 de março passaria a ser o "Dia Internacional da Mulher", em homenagem as mulheres que morreram na fábrica em 1857. Mas somente no ano de 1975, através de um decreto, a data foi oficializada pela ONU (Organização das Nações Unidas).
A mulher, sempre considerada o sexo frágil, subjulgada e deixada às margens da sociedade pelos os homens, mesmo com essas marcas, nunca foram exatamente assim. Sim, nós sempre fomos e ainda somos rotuladas e rebaixadas... Entretanto, nós geramos vida; nós suportamos “as dores do mundo” para alimentar, dar continuidade e unir uma família; temos disposição para encarar jornadas duplas, triplas, etc.; levantamos um homem ou o jogamos na sarjeta; em nossa “fragilidade” somos a fortaleza do mundo.
Em nós cabe o amor que transborda, em nós cabem pilares, sonhos, responsabilidades, lutas, conquistas...
Maria foi a única mulher que teve a honra de gerar o salvador do mundo. E, como se não bastasse, ela foi capaz de gerar um ser que sofreria por nós e, mesmo sabendo de tudo pelo que seu filho passaria, ela disse sim, e esteve com ele sempre. E, como se não bastasse, toda a dor que ela teve que carregar ao ver seu filho sofrendo por nós, ela ainda aceitou ser mãe de todos nós. E ainda, sofre conosco, luta por nós, intercede e nos carrega no colo.
Não preciso nem dizer que ela é o exemplo de mulher mais lindo que se tem notícias, não é?
Um homem não aguentaria as dores das regras mensais e toda a loucura que os hormônios fazem conosco, não aguentaria a dor de parto, a dor do abandono, a dor do “mundo”.
A mulher, como geradora de vida, deveria ser reverenciada.
A mulher, como ser humano, igual a qualquer outro, deveria ser respeitada por sua magnitude, só pelo fato de ser mulher.
O dia internacional da mulher não foi criado apenas para homenagens e festejos, foi criado para lembrarmos de nossa história e lutarmos por nossos sonhos.
Então mulher, se respeite, entenda a grandiosidade de ser mulher. Se ame e tenha em mente: nós somos mulheres. Não para diferenciar, nem para sermos destaques. Somos mulheres para criar, gerar, amar e unir.
Não tente se igualar aos homens em seus erros. A igualdade é de direitos, não de burrices.
Fica a dica, ok?
Parabéns para nós.
Postar um comentário